Clube Audio TT
Hoje é 
 Índice :

 ▶ Entrada

 ▶ O Clube

 ▶ Os Nossos Passeios

 ▶ Fottos

 ▶ Outros

 ▶ Novidades

 ▶ Links dos Sites Amigos

 ▶ Apoios

 ▶ Contactos


Site Meter

Número de pessoas que visitaram esta página !


Clube Audio TT

Todos os direitos reservados

2002 / ....


Esta página foi actualizada em

09-Set-2004

            Os Nossos Passeios ...

Por Terras da Maria da Fonte...

 

2º Passeio Audio TT 2003

1º Audio TT por Terras da Maria da Fonte

 

O dia 22 de Março, Sábado, foi o dia escolhido para mais um Passeio da temporada de 2003 do  Clube Audio TT.

Escolhendo trilhos próximo da "casa" deste Clube, a cidade de Braga, fomos percorrer "Terras da Maria da Fonte", ou o mesmo é dizer, a zona da Póvoa de Lanhoso e os seus montes próximos.

Dos membros deste Clube, concentraram-se às 9 horas da manhã no parque da Grundig 34 pessoas, distribuídas por 16 viaturas ( 3 Toyotas, 2 Jeep, 3 Patrol, 3 UMM, 1 Pajero, 3 Defender e 1 Frontera).

Depois dos cumprimentos habituais, do pequeno "briefing" com a respectiva distribuição de Road-Books, passava pouco das 9h30m quando a caravana se pôs em marcha para a 1ª Etapa.

Esta Etapa, que ocuparia a manhã, ligava Braga a Rendufinho e tinha uma extensão de cerca de 23 Km.

Entrando na Serra do Carvalho poucos Km's após o seu início, cedo começaram a aparecer as primeiras zonas mais complicadas, com algumas subidas bastante íngremes, muitas valas e zonas com piso bastante duro.  Contudo, com maior ou menor dificuldade, todos foram ultrapassando as diferentes dificuldades pelos seus próprios meios, embora tenha sido necessário em alguns casos várias tentativas e as preciosas indicações dadas de fora das viaturas.

Foi pouco antes de abandonar a Serra do Carvalho que se fez a paragem para o habitual "reforço da manhã".  Com as "máquinas humanas" reabastecidas com pão fresquinho, devidamente recheado com queijo e fiambre, com sumos e, para terminar, com um café bem quentinho, os participantes estavam mais do que prontos para "atacar" a 2ª parte do percurso da manhã.

Esta 2ª parte da 1ª Etapa levou-nos a percorrer a Serra de Santo Tirso e viria a terminar no restaurante onde seria servido o almoço.

Se a parte anterior tinha contado com diversas zonas de transposição um bocado complicada, esta seguiu-lhe as pisadas, aumentando ainda o nível das dificuldades encontradas.  As subidas e descidas acentuadas, as valas com profundidade (e largura) em crescendo, uns bocadinhos de lama (pouca) e o piso duro continuaram a marcar uma presença bastante constante.

Com tais desafios, começaram os "atascanços"...  Os guinchos e as cintas entraram em acção e, com alguma dificuldade nalguns casos, lá conseguiram tirar os diversos jipes que aqui e ali resolveram trilhar caminhos de onde não conseguiam sair sozinhos.

Como é habitual em todos os nossos Passeios, foi também uma boa altura para pôr à prova a camaradagem, amizade e espírito de entre-ajuda que nos une e que está sempre presente.

O almoço foi servido no Restaurante Zé Pedro, em Rendufinho, e constou de umas entradas, seguidas de fêveras e entrecosto grelhados, sobremesa e café, sendo "regado" com as bebidas de eleição de cada um: vinho, cerveja, sumo ou água.  É justo salientar que o almoço estava bastante bom e, mais uma vez, o seu custo ficou abaixo do que seria de esperar.

A tarde estava aí e com ela a 2ª etapa, que se estenderia por cerca de 24 Km, levando-nos de Rendufinho de regresso a Braga.

Esta 2ª Etapa era um pouco mais suave e contava com uma paragem em Calvos para se admirar devidamente um carvalho muito antigo, conhecido como " A Carvalha".  Esta árvore, que se encontra devidamente classificada, terá cerca de 500 anos e apresenta um "porte" pouco habitual, embora tenha sofrido já alguns actos de vandalismo ao longo dos anos.

Depois de rumarmos à Póvoa de Lanhoso, que atravessamos, seguimos novamente de regresso à Serra do Carvalho, percorrendo trilhos menos habituais, mas sem grande dificuldade.

Foi exactamente porque a dificuldade era relativamente reduzida, que se chegou ao fim desta 2ª Etapa a horas que ainda não seriam as esperadas para o fim do Passeio.

Feita uma "reunião de emergência", rapidamente foi resolvido prolongar um pouco mais o Passeio, ainda que sem Road-Book, recorrendo-se para isso ao conhecimento que vários participantes tinham da zona.

Como a tarde tinha sido "calma", nada melhor do que ir ao encontro de mais umas zonas complicadas...    A primeira apareceu logo de seguida e consistia numa zona bastante trialeira, óptima para pôr à prova os cursos das suspensões, os ângulos laterais máximos e a perícia dos condutores.

Ultrapassada mais esta "prova", lá fomos ao encontro da seguinte...  Mais uma subida razoavelmente acentuada, mas onde a principal dificuldade estava nas condições do piso.  As valas eram enormes, as pedras "mais do que muitas" e, para um "final em grande", já se sabia que os últimos metros seriam muito difíceis de ultrapassar.

Manda a verdade dizer que ninguém contava que a zona estivesse tão "dura"...  Em vista do estado do trilho, foi de imediato claro que seria quase impossível levar as viaturas até lá acima. 

Depois de uma avaliação atenta, um dos Patrol presentes (o melhor equipado para este tipo de coisas) resolveu tentar "a sua sorte" e, apesar de ter estado em alguns apuros e ter batido em algumas pedras, lá conseguiu subir !

Novo compasso de espera, a ganhar "coragem", e ex que o UMM amarelo resolve também tentar...

Foi exactamente só isso, tentar, pois 3 ou 4 metros após arrancar, uma pequena pedra estrategicamente colocada arranca-lhe o bujão da parte inferior do depósito de combustível !

Situação complicada !   Felizmente houve de imediato quem tivesse a ideia de tapar temporariamente a fuga, metendo um dedo no buraco que tinha ficado aberto, evitando assim que o combustível se escoasse rapidamente ...   

E agora ?  Como tapar o buraco ?   

As ideias foram aparecendo ...  Podia-se tentar colocar uma rolha de cortiça,... só que ninguém tinha a tal rolha...    Podia-se tentar usar fita auto-colante, ... mas ela não iria aderir suficientemente de modo a suportar o esforço exercido pelo gasóleo que ainda restava no depósito...

Até que alguém se lembrou de tentar usar um bocado de um pequeno tronco de giesta para tapar o tal buraco.  Navalha multifunções em acção, um pequeno troço de giesta cortado, devidamente "aguçado" para poder entrar no buraco e há que tentar...

Bem, o resultado até foi bastante satisfatório, uma vez que se não permitiu uma vedação absolutamente perfeita, permitiu pelo menos que ficassem apenas a cair umas gotas de vez em quando.

O tempo, entretanto, tinha passado e as "emoções" já eram suficientes, pelo que se resolveu fazer recuar a caravana e abdicar de mais tentativas de subida.

O final do Passeio acabou por acontecer junto à nascente do Rio Este, com um lanche já tardio, que permitiu recuperar as energias para o regresso a casa.

Foi também durante esse lanche que se aproveitou para fazer o "balanço" de mais este Passeio que, a julgar pelas opiniões unânimes dos participantes, foi mais uma vez bastante positivo, ao mesmo tempo que se começava a falar já dos próximos Passeios, mas isso é algo que iremos divulgar a seu tempo.

 

Clube Audio TT

 

  Página dos Passeios       

 

O verdadeiro TT pratica-se com respeito pela Natureza !

         

Entrada ┃ O Clube  ┃ Os Nossos Passeios ┃ Fottos ┃ Outros ┃ Novidades ┃ Links ┃ Apoios ┃ Contactos