Clube Audio TT
Hoje é 
 Índice :

 ▶ Entrada

 ▶ O Clube

 ▶ Os Nossos Passeios

 ▶ Fottos

 ▶ Outros

 ▶ Novidades

 ▶ Links dos Sites Amigos

 ▶ Apoios

 ▶ Contactos


Site Meter

Número de pessoas que visitaram esta página !


Clube Audio TT

Todos os direitos reservados

2002 / ....


Esta página foi actualizada em

09-Set-2004

            Os Nossos Passeios ...

Por Terras de Melgaço e de Castro Laboreiro ...

 

6º Passeio Audio TT 2002

Por Terras do "Alvarinho"

( Melgaço - Castro Laboreiro )

 

 

No passado dia 28 de Setembro, Sábado, o Clube Audio TT realizou o seu 2º Passeio "Por Terras do Alvarinho", o 6º deste ano. Esta foi a maneira encontrada para continuar a dar a conhecer aos seus membros uma região que, para além, do famoso néctar Vinho Alvarinho possui também paisagens muito interessantes e onde é ainda possível passear em estreita ligação com a natureza.

O encontro estava marcado para as 9h30m junto ao Mercado, em Melgaço, mas a maior parte dos participantes resolveu juntar-se previamente junto à Igreja do Alívio e seguir em caravana até Melgaço.

À hora marcada estavam então os 17 jipes e as pouco mais de 50 pessoas reunidas no parque junto ao Mercado, prontas para mais um dia bem passado. Depois de um pequeno "briefing", onde foi apresentado o Passeio, relembradas as "regras básicas" que o Clube Audio TT procura respeitar nas suas organizações, e distribuído o respectivo "Road-Book", deu-se então início ao Passeio propriamente dito.

A manhã estava dividida em 2 etapas, com uma paragem entre elas, de modo a que fosse possível fazer-se o habitual "reforço da manhã".

A 1ª etapa, com um total de pouco mais de 13 Km, permitiu acompanhar um pouco o curso do rio Minho e também passear pelas muitas vinhas de "Alvarinho" existentes nos arredores de Melgaço. Esta etapa terminava no topo de um dos montes da região, junto a um Marco Geodésico, tendo entretanto passado em 2 ou 3 zonas onde a perícia dos condutores e a capacidade das diferentes "máquinas" tinha começado a ser "posta à prova".

Sem nada de muito especial a assinalar, todos cumpriram o percurso previsto, ficando apenas para as nossas "memórias colectivas" um pneu furado (na realidade foi antes um pneu cortado por um pedaço de vidro) que é algo que, felizmente, tem ocorrido poucas vezes nos nossos Passeios.

Depois do "reforço da manhã", constituído por pão fresquinho, com queijo e fiambre, acompanhado por sumos de fruta, icetea ou água e um café, para terminar, estávamos prontos para iniciar a 2ª etapa.

Esta 2ª etapa, com um total de cerca de 24,5 Km, iria levar-nos até ao almoço e começava "a matar" com a subida de um pequeno corta-fogo razoavelmente complicado, logo seguido de uma descida com piso bastante duro. Seguia-se, depois, nova descida com valas longitudinais razoavelmente profundas, que justificavam uma condução "milimétrica", de modo a colocá-las a meio do jipe e a evitar que as rodas lá caíssem, porque se tal acontecesse, já não seria possível sair pelos próprios meios. Todos os participantes fizeram questão de demonstrar a sua perícia e os obstáculos foram ultrapassados sem problemas especiais.

Depois de alguns Kms em asfalto, regressava-se aos pisos de terra e pedra, alguns deles um bocado duros. Foi a altura de, entre zonas um pouco mais difíceis, se ir vendo um conjunto de paisagens "que vale a pena ver", ao mesmo tempo que subíamos, primeiro, ao topo de outro monte e, depois, se descia até Castro Laboreiro, onde terminava a 2ª etapa e seria servido o almoço.

A estalagem em Castro Laboreiro aguardava a chegada dos participantes para servir uma vitela assada (da região) que não deixou os seus créditos por mãos alheias, devidamente regada com os néctares da zona.

A parte da tarde, que correspondia à 3ª etapa, prometia ser mais calma. O percurso, com um total de cerca de 30 Kms, levar-nos-ia a passear pela zona de planalto, apanhando a linha de fronteira que divide Portugal da Galiza. O percurso, maioritariamente em estradão, tinha mesmo assim uma ou outra zona onde o piso era um bocado mais duro e com bastante pedra.

A parte inicial permitiu ver uma manada razoavelmente grande de cavalos que por ali se passeavam em total liberdade (não eram cavalos "selvagens", pois estavam "marcados", mas andavam completamente soltos no meio do planalto…). A paisagem era, ela também, extremamente interessante, fazendo com que muitos dos participantes mostrassem a o seu contentamento pela possibilidade de apreciar zonas que nos fazem esquecer de imediato a vida nos grandes centros com os seus vários aspectos negativos.

A meio do percurso, aproximadamente, atravessava-se a fronteira, junto ao marco 23, seguindo-se depois, pelo lado espanhol, a acompanhar a divisão entre os 2 países, dando assim origem ao único trajecto que o Clube Audio TT costuma utilizar fora de fronteiras. Este foi o local escolhido para mais uma paragem da caravana, aproveitando-se para fazer a "foto de família" dos participantes, ao mesmo tempo que se conversava um pouco sobre vários aspectos relacionados com a situação, nomeadamente o contrabando que se fazia nesta zona, a diferença entre Espanha (neste caso, a Galiza) e Portugal, a necessidade de proteger a natureza, de modo a que as gerações vindouras possam continuar a desfrutar dela, a forma de vida das populações locais, entre outros.

Continuando a seguir o percurso traçado no Road-Book, agora por "terras da Galiza", chegamos a uma zona que estava assinalada como "área de recreio" para quem quisesse brincar um pouco… Na realidade é uma zona mais ou menos pantanosa e muito traiçoeira, pois uma vegetação de juncos "disfarça" por completo um terreno bastante acidentado, com covas de mais de meio metro de profundidade, e bastante lamacento. É importante salientar que esta zona fica exactamente no meio de um caminho, fazendo dele parte, mas havendo um outro trilho alternativo, à volta.

Como já era de esperar, houveram 3 ou 4 jipes que "cheios de coragem" se resolveram aventurar, de imediato, e tentar atravessar esta zona… Contudo, a "coragem", acompanhada da perícia dos condutores e das capacidades das máquinas, não foi suficiente e, rapidamente, estavam todos completamente atascados… uns, logo ao início, outros um pouco mais à frente…

Para ajudar a resgatar os jipes atolados, vários outros foram tentando aproximar-se, mas seguindo por zonas menos "perigosas". Mesmo assim, uma parte deles não se livrou de ficar atolado e, se iam tentar ajudar os outros, acabaram por ficar à espera de quem os ajudasse…

Enquanto se ia resgatando os jipes, um a um, por vezes com bastante dificuldade, uma vez que alguns estavam completamente "enterrados", apareceu um jipe com uma brigada de vigilância espanhola, que parou e que esteve um bocado à conversa connosco. O primeiro comentário que fizeram foi algo do tipo "mas vocês são malucos ou quê ?!? Então não vêem que é praticamente impossível passar por aí ?!? Este caminho aqui ao lado foi aberto exactamente porque ninguém consegue passar pelo caminho original !!!" . Nós lá lhes explicamos que se tratava de uma "brincadeira" e que por isso estava "tudo bem" e ninguém se tinha metido ali "ao engano". A conversa continuou durante mais algum tempo, acabando os espanhóis por contar algumas "histórias" passadas ali, nomeadamente uma em que um jipe do exército espanhol tinha tentado atravessar aquela zona e tinham ficado presos. Tinham sido obrigados a pedir ajuda, mas só no dia seguinte foram "resgatados", sendo obrigados a passar a noite no meio do lamaçal…

Após cerca de uma hora de "trabalho", já se tinha conseguido libertar os jipes que tinham ficado atolados e era altura de continuar, que o dia já estava a dar mostras de querer chegar ao fim...

Mais uns Kms feitos, e nova paragem, desta vez para um lanche. Os estômagos que se encontravam um pouco mais vazios foram, novamente, "aconchegados", ao mesmo tempo que se ia aproveitando para fazer um balanço de mais este passeio que estava já muito próximo do fim. Restavam uma meia dúzia de Kms e sem qualquer dificuldade especial.

A opinião geral era muito positiva, fazendo toda a gente questão de frisar que tinha sido um dia particularmente bem passado e que, quer o percurso utilizado, quer as refeições, quer a camaradagem e amizade que percorria a caravana, tinham sido muito bons. Era tempo de perguntar quando seria o próximo Passeio e de tentar "reservar" desde já lugar para ele, insistindo para que não nos esquecêssemos de os informar e convidar.

 

 

Clube Audio TT

 

 

  Página dos Passeios       

 

O verdadeiro TT pratica-se com respeito pela Natureza !

         

Entrada ┃ O Clube  ┃ Os Nossos Passeios ┃ Fottos ┃ Outros ┃ Novidades ┃ Links ┃ Apoios ┃ Contactos